terça-feira, agosto 04, 2009

Editorial – REPÚBLICA DO MENSALÃO, O PEDESTAL DA IMPUNIDADE

Os brasileiros, de um modo generalizado, parecem anestesiados, sem capacidade de reagir, diante das várias denúncias de corrupção. Principalmente, porque predominam as regras da instituição denominada impunidade, talvez, a mais sólida, hoje, no país. Sobre a impunidade, devemos nos concentrar em torno dos mesmos argumentos. A justiça falha porque tarda demais, protege a bandidagem da política. E político corrupto faz favor aos seus comparsas de crime. No caso mais recente, o presidente Lula da Silva está apenas devolvendo um favor a José Sarney. A quadrilha do senador e presidente do Senado protegeu os mensaleiros do PT e Lula da Silva & Cia. Ltda.

A crise do Senado se agrava. Na terça-feira, 28, o jornal O Estado de São Paulo fez uma revelação estarrecedora, difundida pela Agência Estado: “Pelo menos 70% dos membros do Conselho de Ética do Senado são suspeitos de irregularidades”. Segundo o respeitável jornal, isso explica “A esperada benevolência do Conselho de Ética com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP)”. A biografia dos senadores esclarece porque a podridão que assola o Senado da República, de onde escorre um caldo fétido, nunca é alvo de punição.

Segundo o jornal, “pelo menos 70% dos membros do colegiado são alvos de inquéritos autorizados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), réus em ações penais e/ou envolvimento com nepotismo e atos secretos nos últimos anos”.

O mais grave, é que “caberá a esses senadores decidir, na terça-feira, 04 de agosto, o destino dos pedidos de abertura de processo de cassação de Sarney”. É, de fato, exigir demais que eles adotem uma postura mais ética contra o bandoleiro Sarney. O presidente do Senado é um deles, um igual, alguém cheio de privilégios. Como a maioria deles, um político que se aproveita da coisa pública em benefício próprio e dos seus. Um quadrilheiro, que assalta os cofres públicos. E que é protegido pela legislação: foro privilegiado. E goza das benesses patrocinadas pela oportuna lentidão da justiça.

Ainda segundo o “Estadão”, o senador Sarney “é acusado de ligação com boletins administrativos sigilosos, nomeação de parentes e afilhados, além de desvio de recursos da Petrobras pela Fundação José Sarney. A fundação vive hoje a perspectiva de intervenção por parte do Ministério Público (MP) do Maranhão, por causa do desvio de cerca de R$ 500 mil de uma verba de patrocínio de R$ 1,34 milhão, concedida pela estatal do petróleo”.

A reportagem do jornal – informa a Agência Estado – “cruzou a lista de integrantes titulares e suplentes do Conselho de Ética, com escândalos recentes semelhantes aos que alcançaram Sarney. Poucos escapam. Dos 30 titulares e suplentes, ao menos 21 estão nessa malha fina. Dos 14 suplentes, dez empregaram parentes, assinaram atos secretos, são alvos de inquérito ou réus em processos”.

“A tropa de choque do PMDB, por exemplo, marcha unida nesse quesito. Os quatro titulares – Wellington Salgado (MG), Gilvan Borges (AP), Paulo Duque (RJ) e Almeida Lima (SE) – têm algum tipo de ligação com nepotismo, ato secreto ou investigação externa. Outros quatro titulares aliados de Sarney também fazem parte desse grupo: Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), Gim Argello (PTB-DF), João Durval (PDT-BA) e Romeu Tuma (PTB-SP). Juntos com João Pedro (PT-AM) e Inácio Arruda (PC do B-CE), eles somam votos suficientes, entre os 16 titulares, para barrar as cinco representações que já foram protocoladas contra Sarney”.

Outros três titulares no Conselho de Ética têm seus nomes em boletins sigilosos ou casos de nepotismo: Demóstenes Torres (DEM-GO), Heráclito Fortes (DEM-PI) e Eliseu Resende (DEM-MG). Na terça-feira, 28, o Estado publicou a reportagem, na qual afirma que “o presidente do Conselho de Ética, Paulo Duque (PMDB-RJ), emprega um assessor "fantasma" no próprio órgão, desde novembro”.

É uma situação muito grave. Uma vergonha para o país. Os brasileiros decentes precisam reagir. Não pode ser tratado como “conselho de ética”, um amontoado de corruptos desonestos, reunidos em salões suntuosos.

A Roma antiga foi queimada porque o caldo fétido da corrupção e os resíduos do esgoto corriam juntos, nas valas comuns.

Um comentário:

Rogerio disse...

Baby

Inegavelmente o PT tem tido uma gonernança que deixa muito a desejar em termos éticos. Nao entendo, contudo, por que tanto se ataca a este partido e tao pouco é mencionado sobre o PMDB.
- Sera por que a midia tem interesses locais com os coroneis do PMDB. O pais precisa urgentemente de moralização, mas esta engloba tambem as velhas ratazanas que estao nos partidos que nao fazem parte da base governista atualmente.